fbpx

Como fazer que sua ideia de um milhão de de dólares gere milhões de dólares?

Robert Kiyosaki

Caro Leitor,

Muitas pessoas têm ideias de um milhão de dólares. Elas acreditam que seu novo produto ou serviço vão torná-las ricas e que todos os seus sonhos se tornarão realidade. O problema é que a maioria das pessoas não sabe como fazer que sua ideia de um milhão de dólares gere milhões de dólares.

Na verdade, bem poucos empreendedores se tornam empreendedores ricos. Na verdade, muitos donos de negócios ganham menos que seus funcionários. O pequeno empresário ganha menos porque o seu trabalho continua depois que o funcionário vai pra casa. Ele trabalha mesmo quando o negócio está fechado. Quando você calcula o número de horas que o dono dedica ao negócio e o quanto ele recebe, muitos ganham menos, por hora, do que seus funcionários.

Uma amiga, um empreendedora, teve sua história contada em uma reportagem. A matéria do jornal citava que ela ganhava US$ 80 mil por mês. Tenho certeza que muitos leitores ficaram boquiabertos diante dessa quantia. Depois, quando tomei um café com ela, perguntei: “Quantos desses US$ 80 mil ficam com você?” Sorrindo, ela disse: “Nada. Eu reinvisto cada centavo no crescimento do negócio. Nós sobrevivemos com o salário do meu marido.”

Ser um empreendedor é um trabalho que exige 24 horas por dia, sete dias por semana. Mesmo quando não está fisicamente trabalhando, a maioria está trabalhando mentalmente ou emocionalmente preocupado. Os empregados podem ir para casa ou sair de férias. A maioria dos empreendedores não pode. Eu ouvi dizer que Bill Gates não teve um dia de folga por oito anos quando estava começando a Microsoft. 

Eu reforço esse ponto porque muitos funcionários acham que ser “o chefe” é fácil. Muitos funcionários acham que fazem todo o trabalho e que o dono leva uma vida boa e embolsa todo o dinheiro. O motivo que faz com que muitos funcionários pensem que o chefe não trabalha tão duro quanto eles é que empregados e empreendedores realizam diferentes tipos de trabalho, tarefas que exigem habilidades diferentes. 

As estatísticas mostram que a razão que faz com que nove em cada dez pequenos negócios fechem nos primeiros cinco anos de existência é que a maioria dos donos, mesmo com grau universitário e MBA, não possuem as habilidades essenciais para serem empreendedores.

Diferentes tipos de empreendedores

O quadrante do fluxo de caixa representa os quatro diferentes tipos de pessoas no mundo dos negócios. Lembre-se que há empreendedores em três dos quatro quadrantes — no A (Autônomo), no D (Dono de um negócio com mais de 500 funcionários) e no I (Investidor). A exceção é no E (Empregado). Mas o verdadeiro empreendedor está no lado direito do quadrante (D e I).

Todo empreendedor tem que começar de alguma forma. Eu também comecei como autônomo, mas logo aprendi que se quisesse de fato crescer como empreendedor e fazer meu negócio crescer, algo tinha que mudar.

O problema para a maioria dos empreendedores não é o ato de se tornar um empreendedor, mas deixar para trás sua posição de autônomo. Muitos caem na armadilha de acreditarem que são especialistas em tudo e que devem fazer tudo. Eles não confiam nos outros quando a questão é a empresa que criaram. A verdade, porém, é que você provavelmente não é um especialista e não tem como saber tudo. 

Muito provavelmente você tem uma ou duas habilidades que domina e nas quais deveria focar. Um verdadeiro empreendedor faz seu negócio crescer quando monta uma equipe de especialistas. Um dos motivos de as pessoas nos quadrantes E e A às vezes terem dificuldade para mudar de quadrante é porque elas não estão acostumadas a ter uma equipe as assessorando com seus planos e decisões financeiras.

Monte um sistema de sistemas

O Triângulo D-I é importante para qualquer um que queira começar um negócio no quadrante D ou que já possua um. Ele também é importante para qualquer um que tenha uma ideia de um milhão de dólares e planos de transformá-la em um negócio. Em outras palavras, uma das razões de as pessoas terem dificuldade de começar um negócio no quadrante D é porque um negócio de verdade precisa mais do que uma habilidade ou especialidade.

Quando um empreendedor “constrói um negócio”, o que ele constrói é um Triângulo D-I ou um sistema de sistemas. Meu pai rico chamava esses oito componentes de “8 Integridades de um Negócio”.

Meu pai rico acreditava que um negócio verdadeiramente bem-sucedido era criado com base em sistemas e que o produto não precisava ser o melhor do mercado se os sistemas fossem de classe mundial. Ele ainda precisava ser bom, mas não o melhor. É por isso que ele colocava o “Produto” na menor parte do Triângulo D-I, seu modelo para criar os negócios de maior sucesso.

Se o empreendedor não conseguir reunir esseas oito integridades, o negócio pode falir ou enfrentar problemas financeiros. E se algum desses componentes for fraco ou disfuncional, o negócio provavelmente terá dificuldades ou irá fracassar. Isso mostra o quão importante são os oito componentes do Triângulo D-I. Sua capacidade de migrar do lado esquerdo do quadrante de fluxo de caixa para o lado direito depende exclusivamente da solidez do seu sistema.

Alavanque sua equipe

Meu pai rico ensinou a mim e a seu filho a sermos empreendedores. Quando eu perguntei a ele como era um empreendedor, ele disse: “Um empreendedor vê uma oportunidade, monta uma equipe e cria um negócio que lucra com essa oportunidade”.

Verdadeiros empreendedores não podem fazer sozinhos o que eles precisam fazer. Um empreendedor precisa ser capaz de reunir pessoas inteligentes de diferentes áreas e com diferentes habilidades e que vão trabalhar juntas para alcançar um objetivo comum. Em outras palavras, um empreendedor monta equipes que vão desenvolver um produto que ninguém seria capaz sozinho.

Ter uma equipe na qual você pode confiar e que está comprometida com o que você está desenvolvendo faz com que eles trabalhem pelo seu negócio da mesma forma que você trabalha. Como meu pai rico dizia, “Negócios e investimentos são como esportes de equipe”.

Quando criança, notei que meu pai pobre enfrentava os problemas financeiros sozinho. Ele ficava em silêncio durante o jantar caso estivesse enfrentando dificuldades, discutia com a minha mãe se estivesse frustrado com questões de dinheiro e sentava sozinho, tarde da noite, para tentar fazer as contas fecharem.

Muitas vezes cheguei em casa e encontrei minha mãe chorando porque ela sabia que estávamos passando por dificuldades financeiras e não tinha ninguém com quem pudesse desabafar. No que se referia a dinheiro, meu pai era o homem da casa e ele não falava sobre isso com ninguém.

Meu pai rico, por outro lado, sentava em uma mesa do seu restaurante, rodeado por sua equipe, e discutia abertamente seus problemas financeiros. Meu pai rico dizia: “Todo mundo tem problemas financeiros. Os ricos, os pobres, empresas, governos, igrejas, todos têm problemas com dinheiro. O que determina se uma pessoa será rica ou pobre é simplesmente o quão bem ela lida com esses problemas. Pessoas pobres são pobres simplesmente porque elas lidam com seus problemas financeiros de forma pobre.” É por isso que meu pai rico discutia seus problemas de dinheiro abertamente com sua equipe financeira. Ele dizia: “Nenhuma pessoa pode saber tudo. Se você quiser ganhar o jogo do dinheiro, você vai querer ter as melhores pessoas e as mais inteligentes na sua equipe.”

Meu pai pobre não se deu bem porque ele achou que sabia todas as respostas — e ele não sabia.

Abraço,

​Robert Kiyosaki

Conteúdo Publicitário