fbpx

O Cisne Negro cambial

DIRETO DE WALL STREET…

Evaldo Albuquerque

Caro leitor,

A guerra cambial está esquentando.

Está claro que a economia global está começando a sofrer com a guerra comercial vigente entre as duas maiores economias do mundo: os EUA e a China.

As coisas pioraram entre as duas nações nas últimas semanas.

Enquanto a Casa Branca acenou com a possibilidade de aplicar uma tarifa adicional de 10% sobre US $ 300 bilhões em produtos da China, os chineses desvalorizaram o Yuan em relação ao dólar americano.

Os EUA também aproveitaram a ocasião e acusaram oficialmente a China de manipular sua moeda.

Por conta do imbróglio, a Casa Branca chegou até mesmo a cogitar a ideia de encerrar completamente as negociações comerciais com a China.

Se as coisas continuarem a piorar, podemos esperar que os bancos centrais comecem a se envolver diretamente nos mercados.

Especificamente, estou me referindo a intervenções cambiais generalizadas e frequentes…

Os bancos centrais intervirão rotineiramente nos mercados de câmbio para sustentar suas próprias moedas e, consequentemente, prejudicar as moedas de outros países.

Mais precisamente, precisamos conversar sobre o dólar americano.

O dólar americano é a moeda de reserva global e, como tal, compreende mais de 90% das transações em todo o mundo.

Então, se uma empresa chinesa quer fazer um acordo com uma empresa alemã, ela não simplesmente converte o Yuan chinês em euros. Primeiro, converte o Yuan para dólares americanos que, posteriormente, são convertidos em euros.

Por um lado, isso é ótimo – o mundo tem uma forma de pagamento padrão que literalmente qualquer país pode usar para ter acesso ao capital.

Isto é especialmente verdadeiro para países estrangeiros ou corporações que estão olhando para emitir dívida. Se optarem por emitir suas dívidas em dólares americanos, elas terão acesso a um grupo muito maior de potenciais investidores.

E aí está o problema.

Se um país estrangeiro ou corporação emitir dívida em dólares americanos, precisará pagar tanto a dívida em si como os pagamentos da dívida em dólares americanos.

O problema é que nenhum desses dois grupos (países estrangeiros ou corporações) pode imprimir dólares americanos …

Apenas os EUA podem fazer isso…

Então, a menos que eles possam ter acesso a dólares americanos de outra forma (vendendo ativos, por exemplo), eles rapidamente enfrentarão uma escassez de dólares dos EUA.

Esta é a maior questão que o sistema financeiro global enfrenta hoje.

No total, há mais de $ 11 trilhões (com um “T”) em dívidas em dólares americanos fora dos EUA hoje.

Para colocar isso em perspectiva, é aproximadamente o tamanho da economia da China.

Aqueles que emitiram essa dívida precisam obter rapidamente dólares americanos. Isso significa que eles terão que:

– Emitir mais dívidas em dólares americanos para saldar a dívida antiga.

– Vender ativos que eles possuem para obter dólares americanos.

Até agora, os números 1 e 2 estão funcionando. Mas eles não duram muito mais tempo.

Já estamos começando a ver grandes inadimplências de dívidas acontecerem na China e em outros lugares, já que as empresas ficam sem dólares americanos.

Embora ninguém fale muito sobre o tema, isso poderia resultar em um crash do mercado caso a situação atual não seja rapidamente contornada.

Abraços,

Evaldo Albuquerque


Conteúdo Publicitário

Não Compre Outra Ação Antes de Ver Este Vídeo!!

Se você já perdeu dinheiro investindo em ações, você sabe como é difícil derrotar o sistema, porque o jogo é manipulado contra você…

Para te ajudar, Robert Kiyosaki, autor do best-seller Pai Rico, Pai Pobre gravou uma coleção GRATUITA de vídeos onde mostra os 16 Segredos dos Milionários.

Em um desses vídeos, ele vai te mostrar a estratégia dos milionários para investir em ações – e você vai se surpreender com a informação.

Tudo isso você vai receber gratuitamente na Masterclass Segredos dos Milionários

>>>> Clique Aqui Seu e Reserve Sua Vaga <<<<